O que você sabe sobre o ENEM?

Tudo o que você precisa saber em relação à prova para a qual os jovens se preparam o ano inteiro

27 de outubro de 2016 - Por: Redação


 

outubro_Enem

 

Desde 2009, o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) é utilizado como mecanismo de seleção por diversas universidades brasileiras. A partir dessa mudança, a prova, que é diferente dos vestibulares tradicionais, passou a ser centro das atenções de alunos e professores, chegando a receber quase 6 milhões de inscrições em 2015. Neste ano o ENEM acontece nos dias 05 e 06 de novembro. A data está próxima, mas muitos pais ainda não sabem como funciona o processo, quanto tempo dura e como utilizar a nota para ingressar em um curso superior. Conversamos com alguns especialistas para esclarecer as principais dúvidas dos pais sobre esse assunto:

 

A prova

Antes de tudo é importante lembrar que o ENEM é elaborado pelo Ministério da Educação para avaliar competências e habilidades dos alunos que concluíram ou estão concluindo a educação básica. O exame é divido em quatro grandes áreas do conhecimento: Ciências Humanas, Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza e Matemática. Nos dois dias de prova os candidatos respondem a 180 questões de múltipla escolha, 45 para cada área, e produzem uma redação.

 

A nota

O desempenho dos estudantes é divulgado em janeiro e é muito comum dois participantes acertarem o mesmo número de itens, mas ficarem com médias finais diferentes. Isso porque o MEC utiliza uma metodologia chamada Teoria de Resposta ao Item (TRI) para avaliar os concorrentes. Marco Boin, coordenador psicopedagógico do Colégio Marista Paranaense, explica que nesse modelo de correção o valor de cada uma das questões varia de acordo com o percentual de acertos e erros dos estudantes naquele item. “Assim, os itens que os estudantes acertarem mais serão considerados fáceis e, por essa razão, valerão menos pontos na composição da nota final. Já os itens com menor número de acertos por parte dos estudantes serão considerados difíceis e, por essa lógica, valerão mais pontos.”

 

É diferente de um vestibular comum

Segundo Everson Caleff Ramos, diretor geral do Colégio Marista Santa Maria, a primeira diferença é a extensão. “Enquanto normalmente um vestibular tradicional tem entre 60 e 80 questões mais a redação, o ENEM tem 180 itens e uma redação. Outro ponto importante é que os vestibulares estão focados nos conteúdos, enquanto o ENEM procura avaliar as competências e habilidades dos candidatos”, afirma o ex-professor.

A maior diferença, entretanto, é a forma de avaliação, baseada no processo metodológico TRI, como citado acima. Everson ressalta que dessa forma o aluno que acerta o item mais difícil poderá ter uma proficiência maior. “Além disso, na metodologia TRI, um estudante pode ter uma nota menor, caso o sistema considere que ele teve o que se chama de ‘acerto ao acaso’, o famoso ‘chute’. No vestibular tradicional isso não acontece.”

Para os estudantes, uma das maiores vantagens é a mobilidade. Eles podem utilizar sua proficiência para se inscreverem em qualquer uma das mais de cem universidades aderentes ao ENEM.

 

Para o que é utilizado

Com sua nota, o aluno pode concorrer às mais de 200 mil vagas ofertadas nas universidades públicas pelo SISU (Sistema de Seleção Unificada). Além disso, ela também é utilizada nos programas PROUNI (Programa Universidade para Todos), para obtenção de bolsas de estudo, para o FIES, para obtenção de certificado de conclusão do Ensino Médio (para alunos maiores de 18 anos), para a participação do programa de intercâmbio Ciências sem Fronteiras, além do Sisutec (Sistema de Seleção Unificada do Ensino Técnico e Profissional), que destina a estudantes vagas gratuitas em cursos técnicos.

 

O que é o SISU

O SISU é um sistema informatizado pelo qual algumas universidades públicas disponibilizam suas vagas. Para concorrer, os estudantes precisam entrar na plataforma online do SISU e registrar em qual universidade e curso pretendem ingressar. “O interessante é que o aluno consegue visualizar a nota mínima para concorrer a cada curso, podendo em qualquer momento alterar o curso e também a universidade”, destaca Marco Boin. No dia estipulado, os alunos com as melhores proficiências, nota de corte, são selecionados para os cursos que estavam concorrendo.

É importante ressaltar que cada universidade tem autonomia para definir o percentual de vagas que serão preenchidas por meio do ENEM ou pelo vestibular tradicional. A UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), por exemplo, destina todas as suas vagas de graduação ao ENEM/SISU. Já na UFPR (Universidade Federal do Paraná), somente 20% das vagas serão preenchidas pelo ENEM/SISU em 2017.

 



Viverno digital

Loading...